Atualização da Copa Brasil de Oceano

Tem novidade na Copa Brasil de Oceano! Outubro foi um mês agitado para a vela oceânica brasileira. Tivemos a Refeno, o Brasileiro de MOCRA em Cabedelo, a Santos – Rio e começamos o mês de novembro já com o Circuito – Rio. O evento é aberto a todos os barcos associados à ABVO e tem uma série de regatas durante todo o ano, que contam ponto para o ranking acumulado.

Na classe ORC o Maestrale Log Sub Mapma, do Comorodo Adalberto Casaes, continua na liderança, com 164 pontos. O Maximus assumiu a segunda colocação, com 146 pontos e o Angela Star IV subiu para o terceiro lugar, logo atrás, com 141 pontos.

Na IRC os três primeiros colocados continuam iguais, com Saravah em primeiro, Asbar IV em segundo e Orson em terceiro.

Na MOCRA, o líder é o Patoruzú, com Aventureiro 3 em segundo e Alohas em terceiro.

Na RGS o Cangrejo subiu para a liderança, após uma brilhante participação na Santos Rio. Nativo aparece em segundo, com Bravo em terceiro.

Entre os Clássicos, a liderança também é do Cangrejo, seguido por Cayru III e Aries III em segundo e terceiro respectivamente.

“No início do ano eu e parte da tripulação falamos para o Ricardo Carvalho, dono do barco, conciliar as duas regras (RGS e Clássicos) e nos organizamos de forma a dividir bem a nossa participação nas regatas. Em ambas estamos sempre focados em subir no pódio e assim somar mais pontos para a Copa Brasil. A ideia ficou séria mesmo quando tivemos a ideia de correr a Santos – Rio e ali entendemos que poderíamos brigar pelo título da RGS. Fomos a tripulação mais jovem do Circuito Rio, com média de idade de 30 anos, correndo no barco mais antigo (1944). Agora estamos na briga também pelo título carioca na classe RGS. Estamos empatados na segunda colocação e o desempate será o Circuito Niterói, que também conta pontos para a Copa Brasil”, disse Pedro Trouche, que assumiu o comando do barco. O time ganhou o título da Copa Brasil em 2015 e 2016 na categoria Clássicos.

Confira os resultados completos clicando aqui.