Mario Martinez é eleito o novo Comodoro da ABVO

Foto: Mário Martinez / Crédito: Semana de Vela de Ilhabela
O último final de semana foi de muita festa no Rio de Janeiro com a disputa da 50ª edição do Circuito Rio nas águas da Baía de Guanabara e também das eleições para o novo Comodoro da Associação Brasileira de Veleiros de Oceano, a ABVO.
A Assembleia Geral Ordinária aconteceu na noite da última sexta-feira no Salão Nobre do Iate Clube do Rio de Janeiro. Com 45 votos, a chapa única do paulista Mário Martinez foi eleita para dois anos de mandato que irá até o fim de 2021. Mário  terá como Vice-Comodoro, o baiano Fabrizio Carvalho, do veleiro SKEI, e  capitão da FVOBA (Flotilha de Veleiro de Oceanos da Bahia), e 2º Vice-Comodoro, o gaúcho Paulo Gonçalves do veleiro Huka-Huka.
Mario Martinez, natural de Ribeirão Preto (SP), tem 61 anos, é engenheiro e comandante do barco Rudá, de Santos (SP), há seis anos e veleja desde os 14  anos. Ele ocupava o cargo de Vice-Comodoro nos dois últimos mandatos de Paulo Freire e de Adalberto Casaes que conclui sua jornada de dois anos ao término de 2019 na entidade. Martinez será o 13º Comodoro da ABVO que foi criada em 1955.
“Meu objetivo é dar continuidade ao trabalho maravilhoso que fizeram Lars Grael (mandato de 2012 até 2015), Paulo Freire (2016 e 2017) e o Casaes . Hoje eu pego a ABVO em uma situação financeira razoável, o Lars quando pegou a ABVO estava falida e agora vamos tentar prosseguir ao legado que eles deixaram, dando muita ênfase à mídia para que coloquemos a Vela de Oceano no lugar que ela merece”, disse Martinez.
“Queremos expandir a ABVO fora do eixo Rio-SP, convidamos um Vice-Comodoro da Bahia, outro do Rio Grande do Sul , são estados importantes que estavam um pouco afastados, tentar trazê-los para que consigamos fazer eventos com gente da Bahia, Santa Catarina. Também daremos uma ênfase na BRA-RGS para trazer mais barcos de várias flotilhas desta classe espalhadas pelo país em trabalho que vou desenvolver com Alexandre Martinho .A Vela de Oceano é muito divulgada lá fora e aqui no Brasil ainda é pouco conhecida e vamos buscar mudar essa imagem”, seguiu Mário, que foi um dos fundadores da BRA-RGS.
“Montamos um plano diretor muito simples. Com a nomeação dos diretores vamos deputar. O objetivo da nossa Administração é fazer com que todos os associados participem, todas as classes participem nas decisões. O Comodoro não é a pessoa que tomará as decisões, mas sim facilitará as decisões que serão tomadas pelos associados. Quero fazer a ABVO mais Associação do que nunca e os associados têm que votar e ter poder de decisão. Teremos Lars Grael como Conselheiro Técnico, Casaes permanece na equipe como Conselheiro Técnico, Gustavo Crescenzo, do veleiro Chroma será o Diretor de Comunicações. O restante dos nomes ainda vamos decidir.”
Entre outros objetivos para 2020, Martinez planeja uma grande festa na 70ª edição da Santos-Rio, a mais tradicional regata de oceano do país e pela qual nasceu a ABVO: “Gostaria de colocar grandes nomes da Vela, grandes campeões olímpicos, pessoas de expressão da vela. Quero trazer Lars Grael, Torben Grael, Robert Scheidt, Alex Felter, Eduardo Penido, entre outros. A Vela é o esporte que mais trouxe medalhas olímpicas ao país. E em meu mandato já para o fim do ano que vem começa o primeiro ciclo olímpico da Vela de Oceano que será disputado em 2024 e estaremos juntos à CBVela para nossa contribuição para que tenhamos sucesso”.
Adalberto Casaes escreveu uma carta de despedida e destacou o crescimento em seu mandato: “Creio que nossas realizações, entre algumas, posso destacar o rigor e transparência de medições para emissão de Certificados homologados pelas entidades internacionais, o definitivo saneamento das finanças da ABVO com robusto saldo positivo, a condução de bem sucedido campeonato brasileiro nas águas de Búzios, e o expressivo número de associados, recorde de quase 150 veleiros, cujo número estão consolidados e acompanhados da expectativa de crescimento”, disse.
“Não posso deixar, também, de agradecer ao Iate Clube de Santos e ao Iate Clube do Rio de Janeiro, clubes que entenderam a inescapável necessidade da associação à ABVO para elegibilidade dos competidores da vela oceânica. Destaco, neste agradecimento, a participação do ICRJ pelo importante e constante apoio à todas as solicitações da ABVO. Somos gratos à Comodoria e ao Diretor de Vela e sua equipe.”
A íntegra da carta do Comodoro Adalberto Casaes está publicada no link http://www.abvo.org.br/wp/despedida-comodoro-abvo/