Nova comodoria é eleita durante o Circuito Rio

No dia 30/10 as 18:00 hs, na sede do Iate Clube do Rio de Janeiro, foi realizada a AGO – Assembleia Geral Ordinária para eleição da nova Comodoria, que irá dirigir a associação no biênio 2016/ 2017. Na ausência do Comodoro Lars Grael , que estava em viagem, a assembleia foi dirigida pelo 1 Vice Comodoro Adalberto Casaes e secretariada pela Diretora Financeira Christina Frediani. A votação contou com 45 barcos associados, entre presentes na Assembleia e representados por procuradores. A chapa abaixo foi eleita pelos presentes:

 

Comodoro: Paulo Freire  

1 Vice Comodoro: Roberto Martins

2 Vice Comodoro: Mario Martinez 

Diretora Financeira: Christina Frediani  

Diretor Secretário: Ricardo Tolentino 

Diretor Jurídico: Francisco S Bulhões  

 

Conselho Fiscal: 

João Marcos Almeida 

Luiz Armando Justo 

Nelson Ilha 

Pedro Paulo Petersen (suplente) 

Mauricio Santa Cruz (suplente)  

 

Na mesma data foi aberta AGE – Assembleia Geral Extraordinária com o intuito de aprovar o novo Estatuto revisado para atender à legislação vigente. A assembleia continua em aberto para a obtenção das assinaturas necessárias para atingirmos quórum necessário à alteração do Estatuto. 

 

Sobre a nova comodoria:

O trabalho executado pela Diretoria que teve como Comodoro o velejador Lars S Grael , no período de 2012 a 2015, foi de extrema importância para o resgate das finanças e da credibilidade da ABVO junto à comunidade de vela oceânica.  Neste período, o número de barcos associados aumentou de 30 para 160, além de várias outras conquistas.

Dando continuidade à filosofia de promover a atividade da vela oceânica e manter a proximidade aos velejadores, foram criados 3 pilares que irão nortear os trabalhos nos próximos 2 anos:

 

·         Acuracidade nos ratings:

Os sistemas de rating possibilitam que barcos de tamanhos e projetos distintos possam competir entre si.  A credibilidade da competição depende da precisão das medições e dos cálculos para obtenção dos certificados. Medidores bem formados e que seguem procedimentos padronizados, são fundamentais para garantir a qualidade dos resultados, independentemente do local e por qual profissional foi medida a embarcação. Para tal, promoveremos uma qualificação dos medidores e revisão dos processos de medição. Com ratings mais corretos contribuiremos para o aumento do número de barcos na água.

·         Apoio aos Clubes:

Os eventos da vela são promovidos no Brasil por muitos clubes náuticos, alguns deles centenários. O calendário de regatas é extenso, porém, predominantemente, para barcos monotipos. O sistema de rating para veleiros de oceano, com raras exceções, não é bem conhecido, gerando muita desconfiança entre os velejadores quanto aos resultados obtidos. Nosso papel será o de difusor de conhecimento das várias regras, através do treinamento e da disponibilidade de ferramentas de cálculo de resultados no site da ABVO.

 

·         Segurança no Mar:

Os últimos acontecimentos ocorridos durante a Regata Santos Rio propiciaram um debate sobre a efetiva preparação das tripulações para participarem em regatas oceânicas. Uma visão mais consciente dos riscos da navegação no mar aberto, nos obriga, como autoridade representante da Vela Oceânica, a promover a aderência às regras de segurança existentes da Federação Internacional de Vela – ISAF. Um trabalho em conjunto com a Marinha do Brasil com cursos de segurança de faz necessário, entre outras medidas.