ORC

História

Em 1o de novembro de 1969 a Comissão Coordenadora de Regras do Offshore realizou sua última reunião e aprovou a Constituição para o novo Rating Council Offshore. A Organização girava em torno de Regras específicas e de um software capaz de calcular as muitas medidas inseridas, ainda usando antigos cartões perfurados ou fitas, visando a imprimir um certificado em uma ou duas páginas. Qualquer “Autoridade Nacional”, como a ABVO, no Brasil, poderia fazer uso do programa sob pagamento de uma “taxa” para cada certificado emitido.

Em meados da década de 1970, o Conselho, devidamente consolidado, já tinha mfostrado posicionamento confiável no controle de categorias de diversos veleiros, além da coordenação e emissão de regulamentos especiais. Assim, em 1976 a entidade alterou seu título para “Offshore Racing Council“. O esforço para o desenvolvimento de uma regra comum internacional envolveu treze reuniões ao longo de oito anos. A regra que surgiu foi baseada em métodos de medição do casco e velas, cujo processo vem sendo continuamente desenvolvido ao longo do tempo.

Barco Angela VI, Circuito Rio 2013 (Fred Hoffman).

Atualidade

Atualmente, como resultado de possuir a matriz completa de velocidade do barco prevista e calculada para vários ângulos de vento, direções e intensidades, o sistema de classificação ORC pode fornecer uma variedade de métodos para calcular o tempo corrigido.

As opções oferecidas incluem cálculos mais sofisticados, em que o desempenho do barco é levado em consideração para cada condição de vento, mas, contempla, também, opções de pontuação simples, utilizando coeficientes de Tempo sobre Tempo gasto, ou de Tempo sobre Distância percorrida.

Alternativas de pontuação também incluem a chamada Linha de Performace (desempenho) como uma combinação de Tempo sobre Tempo (TOT) e Tempo em Distância (ToD). Há, também, o sistema de número triplo que usa três fatores diferentes em coeficientes de tempo (ToT) a ser utilizado em brisas leves, ventos médios e fortes. Todas as opções de pontuação simples podem ser utilizadas nas regatas barlavento-sotavento (coeficiente Inshore) ou em regatas de percurso (coeficiente Offshore).

Esta grande variedade de opções de pontuação pode parecer complexa, mas, na verdade, é uma das forças dos sistemas de classificação ORC, pois oferece variedade de escolha que melhor se ajuste à flotilha, ao tipo, e às condições da regata.

Soto 40 planando de balão, Circuito Rio 2013 (Fred Hoffman).

Qual método utilizar?

Os gerentes e organizadores das regatas devem considerar, geralmente, os seguintes aspectos na escolha do método de aferição:

  1. tipo e nível da flotilha – melhor usar sistemas simples para regatas em nível de clube.
  2. tipo de regata – de barlavento / sotavento ou percurso.
  3. a diferença entre o barco mais rápido e o mais lento: importante saber como dividir as classes e combinar categorias de premiação.
  4. expectativa das condições reinantes: se constantes ou variáveis durante a regata.

Quando usado o processo correto, as diferenças no tempo corrigido calculados por opções de pontuação ORC são frequentemente muito pequenas. O uso da metodologia ORC iguala, assim, todas as equipes para que a Regata se torne uma medida do próprio potencial de cada Veleiro para vencer.

Autoridades

Atualmente, e desde 1996, o italiano Nicola Sironi é o Medidor-Chefe Internacional da ORC e desde março de 2016 está respondendo, em caráter temporário, como Medidor-Chefe no Brasil.

Medidor Chefe ORC Brasil

Nicola Sironi,

medidor chefe ORC Brasil

e-mail: [email protected]

Medidores

UF Nome E-mail Telefone Seminário ORC 03/2016 Seminario ORC 03/2017 Medidor ORC desde
RJ Archimedes Delgado [email protected] (21) 994849198 x mar/17
RJ Carlos Albino Sigilião Travessa [email protected] (21)996173480/998153480 /33961141 x x 2015
RJ Gabriel Vale Travessa [email protected] (21) 981952088 x 2015
RJ Leonardo Cunha [email protected].com (21) 998886424 x mar/17
RJ Marcio Richer Soares [email protected]  (48)9981-9909 nov/15
RJ Paulo Eduardo Kunze (Gordon) [email protected] (21) 996177060 x x mar/16
RJ Pierre Joullie pierre.joullie.com.br (21) 99455574 x mar/17
RJ Roberto Moreira Freire [email protected] (21)981212319 x mar/16
RJ Rogerio Albuquerque [email protected] (21) 985451297 x x 1993
RJ Sergio Laranja [email protected] (21) 999733759 x x mar/16
RJ – Angra Eduardo Louro [email protected] (24) 99256-3759 x x mar/16
RJ – Angra Marcelo do Amaral Fernandes [email protected] (24)981226323/33655477 (21)25574791 x mar/16
RS Carlos Arnaldo Bohne [email protected] (51) 99253-1745 x x 1999
RS Felipe Ilha [email protected] (51)99948844/34973793 (31)980409093 x mar/16
RS Francisco de Paula Bastos de Freitas [email protected] (51) 98137-0007 x x mar/16
RS Guilherme Alfoncin [email protected] (51)98416-7099 x mar/16
RS Gustavo Ilha [email protected] (51)99249-4375/3407-7075 x x mar/16
RS Rodrigo Castro [email protected] (51)9874-2632 x x mar/16
SC Fabricio Luiz Lasota Moro [email protected] (48) 98804-4174 x mar/17
SP Luiz Fernando Dancini [email protected] (13)981628142 x
SP Manolo Bunge [email protected] (12) 3832 3182 x x 1995
SP Ronaldo Diehl Santiago [email protected] (19) 98143 8222 2012
SP/RJ/RS Miguel Virgílio migpetko@gmail.com (51)99686180/83283939 x mar/16

Renovação certificado 2018


No site da ABVO vá em serviços – Certificado ORC.  O associados deverá estar com a anuidade em dia e realizar o pagamento do certificado. Caso o barco necessite de realizar nova pesagem, será necessário realizar pagamento de pesagem adicionalmente.

 


Regulamentação

 


Medição


Gerenciamento de Regatas