Paraense radicado em Ilhabela (SP) buscará o bicampeonato na 70ª Regata Santos-Rio

Clauberto Andrade comanda o BL3 URCA na classe BRA-RGS

Foto: BL3 URCA em 2019 / Crédito: Will Carrara

Nascido em Capanema, no Pará, José Clauberto de Andrade está nos preparativos finais em busca do bicampeonato da regata mais tradicional do Brasil de Vela de Oceano, a Regata Santos-Rio que este ano tem sua edição especial, a 70ª, e contará com campeões olímpicos como Torben Grael e Martine Grael, entre outros medalhistas como Lars Grael, Kiko Pelicano, Isabel Swan e campeões mundiais como Samuel Gonçalves e Maurício Santa Cruz.

Ano passado, Clauberto comandou o barco BL3 URCA de Ilhabela (SP), local onde reside há vinte anos, ao título na classe BRA-RGS e vai tentar revalidar a conquista nesta edição que contará com mais de 70 veleiros de todo o país e será o recorde nas 70 edições da mais prestigiada regata do Brasil que tem Torben Grael como um dos maiores vencedores com cinco conquistas.

 "Estamos super ansiosos para a 70ª Santos Rio, que a previsão seja das melhores para nos levar com segurança ao Rio de Janeiro e rápido que é o sonho dos velejadores seja com vento a favor com intensidade média. Adoro fazer a Santos-Rio, é um desafio, desde organização, logística, planejamento, passo sempre aos meus alunos e os levo alguns deles para a prática na Santos-Rio vivenciando situações, mar alto, navegação noturna. Eu chamo de desafio para todos nós, como se fosse uma formatura para todos nós. Ideia é nos manter bem focados nessa regata e quem sabe obter o bicampeonato na classe", disse Clauberto que para esta edição levará três tripulantes que foram em 2019. 

Clauberto gosta de usar a Santos-Rio como um teste para seus alunos. Ele há vinte anos trabalha como professor na escola BL3, em Ilhabela, ministrando aulas e cursos de vela oceânica. O paraense começou no esporte na década de 80 no Rio de Janeiro, na Lagoa Rodrigo de Freitas, passou por várias classes de monotipo e se fixou na vela de oceano velejando com campeões olímpicos como Eduardo Penido (Ouro em Moscou em 1980) e outros grandes nomes como Sérgio Mirsky. 

"Ano passado velejamos com vento leste, contra e fraco, foi eu e mais seis alunos , fizemos uma regata super boa, fomos um pouco mais fora da costa, ficamos bem na regata, procuramos economizar pois sabíamos que próximo à terra não tinha muito vento, mas também não ficar muito em alto mar .Esse ano teremos três da tripulação do ano passado, pessoal está animado, expectativa melhor possível".

Clauberto segue com fortes ligações no Pará. Ele faz parte da ANB, Associação Náutica de Belém: "Vela paraense está super bem, lá temos a flotilha da classe Laser grande. Crescendo bem, pessoal se organizando, vela paraense está em crescimento. Estou sempre em contato e buscando seguir o crescimento por lá".

A largada da Santos-Rio será na sexta-feira, dia 23, a partir das 12h, na Baía de Santos. A partir das 10h30 haverá um desfile com fechamento do porto de Santos e salva de canhão para todos os vencedores da história da regata dados pelo Navio-Veleiro Cisne-Branco e com presença de uma fragata da Marinha do Brasil.

A chegada será na ilha da Laje, na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, e a premiação no Iate Clube do Rio de Janeiro.

A organização é do Iate Clube de Santos, Iate Clube do Rio de Janeiro com apoios da Associação Brasileira de Veleiros de Oceano, a ABVO, Prefeitura de Santos, e CBVela.