Patoruzú é o campeão da 31ª REFENO

Crédito: Everest Imagens

O barco pernambucano Patoruzú ficou com o título de Fita Azul da 31ª Refeno. A embarcação pernambucana saiu do Marco Zero do Recife no sábado (12/10), às 13h30, e foi a primeira a chegar a Fernando de Noronha, às 17h15 (horário de Brasília) deste domingo (13). A embarcação fez a travessia em 27h45min35, tempo superior ao do ano passado, quando completou as 300 milhas náuticas em 25h58min12. Os pernambucanos travaram um duelo emocionante com o Atrevida em alto mar.

O Atrevida largou às 12h30 e assumiu logo a ponta. Os dois disputaram a liderança proa a proa, até que o Patoruzú conseguiu a ultrapassagem. Mesmo à frente, as embarcações ficaram boa parte lado a lado, proporcionando uma grande disputa no meio do oceano.

Este ano, a embarcação foi comandada por Higinio Marinsalta. Em 2018, no primeiro título, o comandante foi Higinio Filho, que fez parte da tripulação nesta edição. Logo após cruzar a linha de chegada, a emoção tomou conta do barco.

“Conseguimos assumir a ponta já de madrugada, mas tivemos problemas com uma peça que se soltou e caiu no mar. Tivemos que parar. Não tínhamos outra para repor e ficamos com medo de forçar e quebrar. Seguimos por quatro horas apenas com uma vela. Por isso algumas embarcações nos passaram, como o Atrevida. No meio da madrugada resolvemos arriscar e reassumimos a ponta”, comentou o tripulante Carlito Moura.

O velejador ainda revelou uma história curiosa que aconteceu no meio do oceano. Ao ultrapassar novamente o Atrevida, a embarcação paulista parabenizou a manobra e desejou sucesso na regata.

“Às 3h resolvemos a arriscar. Subimos a vela de prôa e botamos o barco para andar. Fomos recuperando e pegando o Atrevida no visual. Às 7h a gente estava bem na mira e passamos. Foi fantástica a ultrapassagem. O comandante deles elogiou muito o andamento do Patoruzú. Recomendou cautela e disse que estava passando o bastão da liderança para a gente. Viemos poupando o barco para conseguir chegar”, completou.

Do lado de fora, na Comissão de Regata da Refeno, montada no Mirante do Boldró, a festa também foi grande pelo título. Várias pessoas acompanhavam atentamente à chegada. Após o apito da buzina, muitos gritos de apoio à embarcação pernambucana.

Três barcos apresentaram problemas logo após a partida e precisaram voltar ao litoral. O Pinguim teve o leme quebrado e voltou para o Recife. Já o Glasnost também voltou à capital pernambucana, com um furo no casco, enquanto que o Mia Nera seguiu para Cabedelo/PB com problemas técnicos.

Foram perto de 90 barcos na disputa da REFENO de oito estados. Além dos pernambucanos estiveram representados Santa Catarina, Rio Grande do Norte, Paraíba, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Minas Gerais, Ceará além de barcos da Argentina e Bélgica.

A Refeno 2019 contou com o Patrocínio da Heineken e da Empetur. A edição ainda tem o apoio do Arquipélago de Fernando de Noronha, ICMBio, Porto do Recife, Capitania dos Portos de Pernambuco, 3º Distrito Naval, Prefeitura do Recife, Agemar, Armazéns do Porto, Becker e Spot.

 

Confira os Melhores de cada classe:

RGS A
1º – Atrevida – SP
2º – Papa Léguas – BA
3º – Maná – RS

Prêmio Classe: RGS B
1º – Ventania – BA
2º – Charada – SP
3º – Mohabon – RJ

Prêmio Classe: RGS C
1º – Risco Zero – BA
2º – Kamaiurá – SP
3º – Vendetta – SP

Prêmio Classe: RGS Geral
1º – Atrevida – SP
2º – Papa Léguas – BA
3º – Maná – RS

Prêmio Mocra
1º – Aventureiro 3 – PE
2º – Papangu – PE
3º – Brother Rafa – PE